Menu
Proverbios

PROVÉRBIOS [1] 1 Provérbios de Salomão, filho de Davi, rei de Israel: Para se conhecer a sabedoria e a instrução; para se entenderem as palavras de inteligência; para se instruir em sábio procedimento, em retidão, justiça e eqüidade; para se dar aos simples prudência, e aos jovens conhecimento e bom siso. Ouça também, o sábio e cresça em ciência, e o entendido adquira habilidade, 6 para entender provérbios e parábolas, as palavras dos sábios, e seus enigmas.

PROVÉRBIOS [1] 7 O temor do Senhor é o princípio do conhecimento e da sabedoria; mas os insensatos desprezam a sabedoria e a instrução.

PROVÉRBIOS [1] 8 Filho meu, ouve a instrução de teu pai, e não deixes o ensino de tua mãe. Porque eles serão uma grinalda de graça para a tua cabeça, e colares para o teu pescoço. Filho meu, se os pecadores te quiserem seduzir, não consintas. Se disserem: Vem conosco; embosquemo-nos para derramar sangue; espreitemos sem razão o inocente; traguemo-los vivos, como o Seol, e inteiros como os que descem à cova; acharemos toda sorte de bens preciosos; encheremos as nossas casas de despojos; lançarás a tua sorte entre nós; teremos todos uma só bolsa;

PROVÉRBIOS [1] 15 filho meu, não andes no caminho com eles; guarda da sua vereda o teu pé,  porque os seus pés correm para o mal, e eles se apressam a derramar sangue. Pois debalde se estende a rede à vista de qualquer ave. Mas estes se põem em emboscadas contra o seu próprio sangue, e as suas próprias vidas espreitam. Tais são as veredas de todo aquele que se entrega à cobiça; ela tira a vida dos que a possuem.

PROVÉRBIOS [1] 20 A suprema sabedoria altissonantemente clama nas ruas; nas praças levanta a sua voz. Do alto dos muros clama; às entradas das portas e na cidade profere as suas palavras: Até quando, ó estúpidos, amareis a estupidez? e até quando se deleitarão no escárnio os escarnecedores, e odiarão os insensatos o conhecimento?

PROVÉRBIOS [1] 23 Convertei-vos pela minha repreensão; eis que derramarei sobre vós o meu; espírito e vos farei saber as minhas palavras. Mas, porque clamei, e vós recusastes; porque estendi a minha mão, e não houve quem desse atenção; antes desprezastes todo o meu conselho, e não fizestes caso da minha repreensão;

PROVÉRBIOS [1] 26 também eu me rirei no dia da vossa calamidade; zombarei, quando sobrevier o vosso terror, quando o terror vos sobrevier como tempestade, e a vossa calamidade passar como redemoinho, e quando vos sobrevierem aperto e angústia. Então a mim clamarão, mas eu não responderei; diligentemente me buscarão, mas não me acharão. Porquanto aborreceram o conhecimento, e não preferiram o temor do Senhor; não quiseram o meu conselho e desprezaram toda a minha repreensão; portanto comerão do fruto do seu caminho e se fartarão dos seus próprios conselhos. Porque o desvio dos néscios os matará, e a prosperidade dos loucos os destruirá.

PROVÉRBIOS [1] 33 Mas o que me der ouvidos habitará em segurança, e estará tranqüilo, sem receio do mal. Aleluia.                                                                           

PROVÉRBIOS [2] 1 Filho meu, se aceitares as minhas palavras, e entesourares contigo os meus mandamentos, para fazeres atento à sabedoria o teu ouvido, e para inclinares o teu coração ao entendimento; sim, se clamares por discernimento, e por entendimento alçares a tua voz; se o buscares como a prata e o procurares como a tesouros escondidos; então entenderás o temor do Senhor, e acharás o conhecimento de Deus.

PROVÉRBIOS [2] 6 Porque o Senhor dá a sabedoria; da sua boca procedem o conhecimento e o entendimento; ele reserva a verdadeira sabedoria para os retos; e escudo para os que caminham em integridade, guardando-lhes as veredas da justiça, e preservando o caminho dos seus santos.

PROVÉRBIOS [2] 9 Então entenderás a retidão, a justiça, a eqüidade, e todas as boas veredas. Pois a sabedoria entrará no teu coração, e o conhecimento será aprazível à tua alma; o bom siso te protegerá, e o discernimento te guardará;

PROVÉRBIOS [2] 12 para te livrar do mau caminho, e do homem que diz coisas perversas; dos que deixam as veredas da retidão, para andarem pelos caminhos das trevas; que se alegram de fazer o mal, e se deleitam nas perversidades dos maus; dos que são tortuosos nas suas veredas; e iníquos nas suas carreiras;

PROVÉRBIOS [2] 16 e para te livrar da mulher estranha, da estrangeira que lisonjeia com suas palavras; a qual abandona o companheiro da sua mocidade e se esquece do concerto do seu Deus; pois a sua casa se inclina para a morte, e as suas veredas para as sombras. Nenhum dos que se dirigirem a ela, tornara a sair, nem retomará as veredas da vida.

PROVÉRBIOS [2] 20 Assim andarás pelo caminho dos bons, e guardarás as veredas dos justos. Porque os retos habitarão a terra, e os íntegros permanecerão nela.

PROVÉRBIOS [2] 22 Mas os ímpios serão exterminados da terra, e dela os aleivosos serão desarraigados. Aleluia.

PROVÉRBIOS [3] 1 Filho meu, não te esqueças da minha instrução, e no teu coração guarde os meus mandamentos; porque eles te darão lonjura de dias, e anos de vida e paz. Não se afastem de ti a benignidade e a fidelidade; ata-as ao teu pescoço, escreve-as na tábua do teu coração; assim acharás favor e bom entendimento à vista de Deus e dos homens.

PVROÉRBIOS [3] 5 Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento. Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas. Não sejas sábio a teus próprios olhos; teme ao Senhor e aparta-te do mal. Isso será saúde para a tua carne; e refrigério para os teus ossos.

PVROÉRBIOS [3] 9 Honra ao Senhor com os teus bens, e com as primícias de toda a tua renda; assim se encherão de fartura os teus celeiros, e trasbordarão de mosto os teus lagares.

PVROÉRBIOS [3] 11 Filho meu, não rejeites a disciplina do Senhor, nem te enojes da sua repreensão; porque o Senhor repreende aquele a quem ama, assim como o pai ao filho a quem quer bem.

PVROÉRBIOS [3] 13 Feliz é o homem que acha sabedoria, e o homem que adquire entendimento; pois melhor é o lucro que ela dá do que o lucro da prata, e a sua renda do que o ouro. Mais preciosa é do que as jóias, e nada do que possas desejar é comparável a ela. Lonjura de dias há na sua mão direita; na sua esquerda riquezas e honra. Os seus caminhos são caminhos de delícias, e todas as suas veredas são paz.  É árvore da vida para os que dela lançam mão, e bem-aventurado é todo aquele que a retém.

PVROÉRBIOS [3] 19 O Senhor pela sabedoria fundou a terra; pelo entendimento estabeleceu o céu. Pelo seu conhecimento se fendem os abismos, e as nuvens destilam o orvalho.

PVROÉRBIOS [3] 21 Filho meu, não se apartem estas coisas dos teus olhos: guarda a verdadeira sabedoria e o bom siso; assim serão elas vida para a tua alma, e adorno para o teu pescoço. Então andarás seguro pelo teu caminho, e não tropeçará o teu pé. Quando te deitares, não temerás; sim, tu te deitarás e o teu sono será suave.

PVROÉRBIOS [3] 25 Não temas o pavor repentino, nem a assolação dos ímpios quando vier. Porque o Senhor será a tua confiança, e guardará os teus pés de serem presos. Não negues o bem a quem de direito, estando no teu poder fazê-lo. Não digas ao teu próximo: Vai, e volta, amanhã to darei; tendo-o tu contigo.

PVROÉRBIOS [3] 29 Não maquines o mal contra o teu próximo, que habita contigo confiadamente. Não contendas com um homem, sem motivo, não te havendo ele feito o mal. Não tenhas inveja do homem violento, nem escolhas nenhum de seus caminhos.

PVROÉRBIOS [3] 32 Porque o perverso é abominação para o Senhor, mas com os retos está o seu segredo. A maldição do Senhor habita na casa do ímpio, mas ele abençoa a habitação dos justos. Ele escarnece dos escarnecedores, mas dá graça aos humildes.

PVROÉRBIOS [3] 35 Os sábios herdarão honra, mas a exaltação dos loucos se converte em ignomínia. Aleluia.

PROVÉRBIOS [4] 1 Ouvi, filhos, a instrução do pai, e estai atentos para conhecerdes o entendimento. Pois eu vos dou boa doutrina; não abandoneis o meu ensino.

PROVÉRBIOS [4] 3 Quando eu era filho aos pés de meu, pai, tenro e único em estima diante de minha mãe, ele me ensinava, e me dizia: Retenha o teu coração as minhas palavras; guarda os meus mandamentos, e vive. Adquire a sabedoria, adquire o entendimento; não te esqueças nem te desvies das palavras da minha boca. Não a abandones, e ela te guardará; ama-a, e ela te preservará.

PROVÉRBIOS [4] 7 A sabedoria é a coisa principal; adquire, pois, a sabedoria; sim, com tudo o que possuis adquire o entendimento. Estima-a, e ela te exaltará; se a abraçares, ela te honrará. Ela dará à tua cabeça uma grinalda de graça; e uma coroa de glória te entregará.

PROVÉRBIOS [4] 10 Ouve, filho meu, e aceita as minhas palavras, para que se multipliquem os anos da tua vida. Eu te ensinei o caminho da sabedoria; guiei-te pelas veredas da retidão. Quando andares, não se embaraçarão os teus passos; e se correres, não tropeçarás. Apega-te à instrução e não a largues; guarda-a, porque ela é a tua vida.

PROVÉRBIOS [4] 14 Não entres na vereda dos ímpios, nem andes pelo caminho dos maus. Evita-o, não passes por ele; desvia-te dele e passa de largo. Pois não dormem, se não fizerem o mal, e foge deles o sono se não fizerem tropeçar alguém. Porque comem o pão da impiedade, e bebem o vinho da violência.

PROVÉRBIOS [4] 18 Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito. O caminho dos ímpios é como a escuridão: não sabem eles em que tropeçam.

PROVÉRBIOS [4] 20 Filho meu, atenta para as minhas palavras; inclina o teu ouvido às minhas instruções. Não se apartem elas de diante dos teus olhos; guarda-as dentro do teu coração. Porque são vida para os que as encontram, e saúde para todo o seu corpo.

PROVÉRBIOS [4] 23 Guarda com toda a diligência o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida. Desvia de ti a malignidade da boca, e alonga de ti a perversidade dos lábios. Dirijam-se os teus olhos para a frente, e olhem as tuas pálpebras diretamente diante de ti. Pondera a vereda de teus pés, e serão seguros todos os teus caminhos. Não declines nem para a direita nem para a esquerda; retira o teu pé do mal.

PROVÉRBIOS [5] 1 Filho meu, atende à minha sabedoria; inclina teu ouvido à minha prudência; para que observes a discrição, e os teus lábios guardem o conhecimento.

PROVÉRBIOS [5] 3 Porque os lábios da mulher licenciosa destilam mel, e a sua boca é mais macia do que o azeite; mas o seu fim é amargoso como o absinto, agudo como a espada de dois gumes. Os seus pés descem à morte; os seus passos seguem no caminho do Seol.Ela não pondera a vereda da vida; incertos são os seus caminhos, e ela o ignora.

PROVÉRBIOS [5] 7 Agora, pois, filhos, dai-me ouvidos, e não vos desvieis das palavras da minha boca. Afasta para longe dela o teu caminho, e não te aproximes da porta da sua casa;

PROVÉRBIOS [5] 9 para que não dês a outros a tua honra, nem os teus anos a cruéis; para que não se fartem os estranhos dos teus bens, e não entrem os teus trabalhos na casa do estrangeiro, e gemas no teu fim, quando se consumirem a tua carne e o teu corpo, e digas: Como detestei a disciplina! e desprezou o meu coração a repreensão! e não escutei a voz dos que me ensinavam, nem aos que me instruíam inclinei o meu ouvido!

PROVÉRBIOS [5] 14 Quase cheguei à ruína completa, no meio da congregação e da assembléia. Bebe a água da tua própria cisterna, e das correntes do teu poço. Derramar-se-iam as tuas fontes para fora, e pelas ruas os ribeiros de águas? Sejam para ti só, e não para os estranhos juntamente contigo.

PROVÉRBIOS [5] 18 Seja bendito o teu manancial; e regozija-te na mulher da tua mocidade. Como corça amorosa, e graciosa cabra montesa saciem-te os seus seios em todo o tempo; e pelo seu amor sê encantado perpetuamente.

PROVÉRBIOS [5] 20 E por que, filho meu, andarias atraído pela mulher licenciosa, e abraçarias o seio da adúltera? Porque os caminhos do homem estão diante dos olhos do Senhor, o qual observa todas as suas veredas.

PROVÉRBIOS [5] 22 Quanto ao ímpio, as suas próprias iniqüidades o prenderão, e pelas cordas do seu pecado será detido. Ele morre pela falta de disciplina; e pelo excesso da sua loucura anda errado.

PROVÉRBIOS [6] 1 Filho meu, se ficaste por fiador do teu próximo, se te empenhaste por um estranho, estás enredado pelos teus lábios; estás preso pelas palavras da tua boca. Faze pois isto agora, filho meu, e livra-te, pois já caíste nas mãos do teu próximo; vai, humilha-te, e importuna o teu próximo; não dês sono aos teus olhos, nem adormecimento às tuas pálpebras; livra-te como a gazela da mão do caçador, e como a ave da mão do passarinheiro.

PROVÉRBIOS [6] 6 Vai ter com a formiga, ó preguiçoso, considera os seus caminhos, e sê sábio; a qual, não tendo chefe, nem superintendente, nem governador, no verão faz a provisão do seu mantimento, e ajunta o seu alimento no tempo da ceifa.

PROVÉRBIOS [6] 9 o preguiçoso, até quando ficarás deitado? quando te levantarás do teu sono?um pouco para dormir, um pouco para toscanejar, um pouco para cruzar as mãos em repouso;

PROVÉRBIOS [6] 11 assim te sobrevirá a tua pobreza como um ladrão, e a tua necessidade como um homem armado. O homem vil, o homem iníquo, anda com a perversidade na boca, pisca os olhos, faz sinais com os pés, e acena com os dedos; perversidade há no seu coração; todo o tempo maquina o mal; anda semeando contendas. Pelo que a sua destruição virá repentinamente; subitamente será quebrantado, sem que haja cura.

PROVÉRBIOS [6] 16 Há seis coisas que o Senhor detesta; sim, há sete que ele abomina: olhos altivos, língua mentirosa, e mãos que derramam sangue inocente; coração que maquina projetos iníquos, pés que se apressam a correr para o mal; testemunha falsa que profere mentiras, e o que semeia contendas entre irmãos.

PROVÉRBIOS [6] 20 Filho meu, guarda o mandamento de, teu pai, e não abandones a instrução de tua mãe; ata-os perpetuamente ao teu coração, e pendura-os ao teu pescoço. Quando caminhares, isso te guiará; quando te deitares, te guardará; quando acordares, falará contigo.

PROVÉRBIOS [6] 23 Porque o mandamento é uma lâmpada, e a instrução uma luz; e as repreensões da disciplina são o caminho da vida,

PROVÉRBIOS [6] 24 para te guardar da mulher má, e das lisonjas da língua da adúltera. Não cobices no teu coração a sua formosura, nem te deixes prender pelos seus olhares.

PROVÉRBIOS [6] 26 Porque o preço da prostituta é apenas um bocado de pão, mas a adúltera anda à caça da própria vida do homem.

PROVÉRBIOS [6] 27 Pode alguém tomar fogo no seu seio, sem que os seus vestidos se queimem? Ou andará sobre as brasas sem que se queimem os seus pés? Assim será o que entrar à mulher do seu próximo; não ficará inocente quem a tocar.

PROVÉRBIOS [6] 30 Não é desprezado o ladrão, mesmo quando furta para saciar a fome? E, se for apanhado, pagará sete vezes tanto, dando até todos os bens de sua casa.

PROVÉRBIOS [6] 32 O que adultera com uma mulher é falto de entendimento; destrói-se a si mesmo, quem assim procede. Receberá feridas e ignomínia, e o seu opróbrio nunca se apagará; porque o ciúme enfurece ao marido, que de maneira nenhuma poupará no dia da vingança. Não aceitará resgate algum, nem se aplacará, ainda que multipliques os presentes.

PROVÉRBIOS [7] 1 Filho meu, guarda as minhas palavras, e entesoura contigo os meus mandamentos. Observa os meus mandamentos e vive; guarda a minha lei, como a menina dos teus olhos. Ata-os aos teus dedos, escreve-os na tábua do teu coração. Dize à sabedoria: Tu és minha irmã; e chama ao entendimento teu amigo íntimo,

PROVÉRBIOS [7] 5 para te guardarem da mulher alheia, da adúltera, que lisonjeia com as suas palavras. Porque da janela da minha casa, por minhas grades olhando eu, vi entre os simples, divisei entre os jovens, um mancebo falto de juízo, que passava pela rua junto à esquina da mulher adúltera e que seguia o caminho da sua casa, no crepúsculo, à tarde do dia, à noite fechada e na escuridão;

PROVÉRBIOS [7] 10 e eis que uma mulher lhe saiu ao encontro, ornada à moda das prostitutas, e astuta de coração. Ela é turbulenta e obstinada; não param em casa os seus pés; ora está ela pelas ruas, ora pelas praças, espreitando por todos os cantos.

PROVÉRBIOS [7] 13 Pegou dele, pois, e o beijou; e com semblante impudico lhe disse: Sacrifícios pacíficos tenho comigo; hoje paguei os meus votos. Por isso saí ao teu encontro a buscar-te diligentemente, e te achei. Já cobri a minha cama de cobertas, de colchas de linho do Egito. Já perfumei o meu leito com mirra, aloés e cinamomo.

PROVÉRBIOS [7] 18 Vem, saciemo-nos de amores até pela manhã; alegremo-nos com amores. Porque meu marido não está em casa; foi fazer uma jornada ao longe; um saquitel de dinheiro levou na mão; só lá para o dia da lua cheia voltará para casa.

PROVÉRBIOS [7] 21 Ela o faz ceder com a multidão das suas palavras sedutoras, com as lisonjas dos seus lábios o arrasta. Ele a segue logo, como boi que vai ao matadouro, e como o louco ao castigo das prisões; até que uma flecha lhe atravesse o fígado, como a ave que se apressa para o laço, sem saber que está armado contra a sua vida.

PROVÉRBIOS [7] 24 Agora, pois, filhos, ouvi-me, e estai atentos às palavras da minha boca. Não se desvie para os seus caminhos o teu coração, e não andes perdido nas suas veredas.

PROVÉRBIOS [7] 26 Porque ela a muitos tem feito cair feridos; e são muitíssimos os que por ela foram mortos. Caminho de Seol é a sua casa, o qual desce às câmaras da morte.

PROVÉRBIOS [8] 1 Não clama porventura a sabedoria, e não faz o entendimento soar a sua voz? No cume das alturas, junto ao caminho, nas encruzilhadas das veredas ela se coloca. Junto às portas, à entrada da cidade, e à entrada das portas está clamando:

PROVÉRBIOS [8] 4 A vós, ó homens, clamo; e a minha voz se dirige aos filhos dos homens. Aprendei, ó simples, a prudência; entendei, ó loucos, a sabedoria. Ouvi vós, porque profiro coisas excelentes; os meus lábios se abrem para a eqüidade.

PROVÉRBIOS [8] 7 Porque a minha boca profere a verdade, os meus lábios abominam a impiedade. Justas são todas as palavras da minha boca; não há nelas nenhuma coisa tortuosa nem perversa. Todas elas são retas para o que bem as entende, e justas para os que acham o conhecimento.

PROVÉRBIOS [8] 10 Aceitai antes a minha correção, e não a prata; e o conhecimento, antes do que o ouro escolhido. Porque melhor é a sabedoria do que as jóias; e de tudo o que se deseja nada se pode comparar sem ela.

PROVÉRBIOS [8] 12 Eu, a sabedoria, habito com a prudência, e possuo o conhecimento e a discrição.

PROVÉRBIOS [8] 13 O temor do Senhor é odiar o mal; a soberba, e a arrogância, e o mau caminho, e a boca perversa, eu os odeio. Meu é o conselho, e a verdadeira sabedoria; eu sou o entendimento; minha é a fortaleza. Por mim reinam os reis, e os príncipes decretam o que justo. 16 Por mim governam os príncipes e os nobres, sim, todos os juízes da terra.

PROVÉRBIOS [8] 17 Eu amo aos que me amam, e os que diligentemente me buscam me acharão. Riquezas e honra estão comigo; sim, riquezas duráveis e justiça. Melhor é o meu fruto do que o ouro, sim, do que o ouro refinado; e a minha renda melhor do que a prata escolhida. Ando pelo caminho da retidão, no meio das veredas da justiça, dotando de bens permanentes os que me amam, e enchendo os seus tesouros.

PROVÉRBIOS [8] 22 O Senhor me criou como a primeira das suas obras, o princípio dos seus feitos mais antigos. Desde a eternidade fui constituída, desde o princípio, antes de existir a terra. Antes de haver abismos, fui gerada, e antes ainda de haver fontes cheias d'água. Antes que os montes fossem firmados, antes dos outeiros eu nasci,

PROVÉRBIOS [8] 26 quando ele ainda não tinha feito a terra com seus campos, nem sequer o princípio do pó do mundo. Quando ele preparava os céus, aí estava eu; quando traçava um círculo sobre a face do abismo, quando estabelecia o firmamento em cima, quando se firmavam as fontes do abismo, quando ele fixava ao mar o seu termo, para que as águas não traspassassem o seu mando, quando traçava os fundamentos da terra,

PROVÉRBIOS [8] 30 então eu estava ao seu lado como arquiteto; e era cada dia as suas delícias, alegrando-me perante ele em todo o tempo;

PROVÉRBIOS [8] 31 folgando no seu mundo habitável, e achando as minhas delícias com os filhos dos homens. Agora, pois, filhos, ouvi-me; porque felizes são os que guardam os meus caminhos. Ouvi a correção, e sede sábios; e não a rejeiteis.

PROVÉRBIOS [8] 34 Feliz é o homem que me dá ouvidos, velando cada dia às minhas entradas, esperando junto às ombreiras da minha porta. Porque o que me achar achará a vida, e alcançará o favor do Senhor.

PROVÉRBIOS [8] 36 Mas o que pecar contra mim fará mal à sua própria alma; todos os que me odeiam amam a morte.

PROVÉRBIOS [9] 1 A sabedoria já edificou a sua casa, já lavrou as suas sete colunas; já imolou as suas vítimas, misturou o seu vinho, e preparou a sua mesa. Já enviou as suas criadas a clamar sobre as alturas da cidade, dizendo: Quem é simples, volte-se para cá. Aos faltos de entendimento diz: Vinde, comei do meu pão, e bebei do vinho que tenho misturado. Deixai a insensatez, e vivei; e andai pelo caminho do entendimento.

PROVÉRBIOS [9] 7 O que repreende ao escarnecedor, traz afronta sobre si; e o que censura ao ímpio, recebe a sua mancha. Não repreendas ao escarnecedor, para que não te odeie; repreende ao sábio, e amar-te-á. Instrui ao sábio, e ele se fará mais, sábio; ensina ao justo, e ele crescerá em entendimento.

PROVÉRBIOS [9] 10 O temor do Senhor é o princípio da sabedoria; e o conhecimento do Santo é o entendimento. Porque por mim se multiplicam os teus dias, e anos de vida se te acrescentarão.

PROVÉRBIOS [9] 12 Se fores sábio, para ti mesmo o serás; e, se fores escarnecedor, tu só o suportarás.

PROVÉRBIOS [9] 13 A mulher tola é alvoroçadora; é insensata, e não conhece o pudor. Senta-se à porta da sua casa ou numa cadeira, nas alturas da cidade, chamando aos que passam e seguem direitos o seu caminho: Quem é simples, volte-se para cá! E aos faltos de entendimento diz: As águas roubadas são doces, e o pão comido às ocultas é agradável.

PROVÉRBIOS [9] 18 Mas ele não sabe que ali estão os mortos; que os seus convidados estão nas profundezas do Seol.

PROVÉRBIOS [10] 1 Provérbios de Salomão. Um filho sábio alegra a seu pai; mas um filho insensato é a tristeza de sua mãe. Os tesouros da impiedade de nada aproveitam; mas a justiça livra da morte.

PROVÉRBIOS [10] 3 O Senhor não deixa o justo passar fome; mas o desejo dos ímpios ele rechaça. O que trabalha com mão remissa empobrece; mas a mão do diligente enriquece. O que ajunta no verão é filho prudente; mas o que dorme na sega é filho que envergonha. Bênçãos caem sobre a cabeça do justo; porém a boca dos ímpios esconde a violência. A memória do justo é abençoada; mas o nome dos ímpios apodrecerá. O sábio de coração aceita os mandamentos; mas o insensato palrador cairá.

PROVÉRBIOS [10]  9 Quem anda em integridade anda seguro; mas o que perverte os seus caminhos será conhecido. O que acena com os olhos dá dores; e o insensato palrador cairá. A boca do justo é manancial de vida, porém a boca dos ímpios esconde a violência. O ódio excita contendas; mas o amor cobre todas as transgressões. Nos lábios do entendido se acha a sabedoria; mas a vara é para as costas do que é falto de entendimento.

PROVÉRBIOS [10] 14 Os sábios entesouram o conhecimento; porém a boca do insensato é uma destruição iminente. Os bens do rico são a sua cidade forte; a ruína dos pobres é a sua pobreza. O trabalho do justo conduz à vida; a renda do ímpio, é para o pecado. O que atende à instrução está na vereda da vida; mas o que rejeita a repreensão anda errado. O que encobre o ódio tem lábios falsos; e o que espalha a calúnia é um insensato.

PROVÉRBIOS [10] 19 Na multidão de palavras não falta transgressão; mas o que refreia os seus lábios é prudente. A língua do justo é prata escolhida; o coração dos ímpios é de pouco valor. Os lábios do justo apascentam a muitos; mas os insensatos, por falta de entendimento, morrem. A bênção do Senhor é que enriquece; e ele não a faz seguir de dor alguma.

PROVÉRBIOS [10] 23  o divertimento para o insensato é praticar a iniqüidade; mas a conduta sábia é o prazer do homem entendido. O que o ímpio teme, isso virá sobre ele; mas aos justos se lhes concederá o seu desejo.

PROVÉRBIOS [10] 25 Como passa a tempestade, assim desaparece o ímpio; mas o justo tem fundamentos eternos. Como vinagre para os dentes, como fumaça para os olhos, assim é o preguiçoso para aqueles que o mandam. O temor do Senhor aumenta os dias; mas os anos dos ímpios serão abreviados. A esperança dos justos é alegria; mas a expectação dos ímpios perecerá.

PROVÉRBIOS [10] 29 O caminho do Senhor é fortaleza para os retos; mas é destruição para os que praticam a iniqüidade. O justo nunca será abalado; mas os ímpios não habitarão a terra. A boca do justo produz sabedoria; porém a língua perversa será desarraigada. Os lábios do justo sabem o que agrada; porém a boca dos ímpios fala perversidades.

João [16]  32 Eis que vem a hora, e já é chegada, em que vós sereis dispersos cada um para o seu lado, e me deixareis só; mas não estou só, porque o Pai está comigo. Tenho-vos dito estas coisas, para que em mim tenhais paz. No mundo tereis tribulações; mas tende bom ânimo, eu venci o mundo.

Jesus venceu o mundo, eu também venci e voce também pode vencer, é só buscá-lo e seguir seus passos.

continua